segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O que aprendi hoje... Entregue-se à felicidade...



Tenho me surpreendido com meu próprio ser nestes últimos dias.

Realmente muita coisa mudou... e quando estamos em situações de estresse, de conflito, de perigo é que realmente sabemos como somos, como estamos...

No sábado peguei o voo para Calicut no sul da Índia... o aeroporto de Mumbai esta muito mais organizado, limpo... o check in foi feito rapidamente. Todos os voos saindo no horário exato.

Cheguei em Calicut e uma extensa e bagunçada fila no guichê do taxi pré –pago. Vários homens se empurrando e gritando para onde queriam ir.. vi algumas mulheres indo para o fundo do guichê e resolvi segui-las. Estavam “furando “ a fila, e fiquei junto a elas. Mas um outro funcionário, na verdade, atendia prontamente as mulheres com muita simpatia e rapidez, enquanto os homens se amontoavam e gritavam. Rapidamente peguei meu voucher e fui para a porta do aeroporto. Um grupo de taxistas, como sempre, ficaram ao meu redor tentando pegar o papel da minha mão e tentando falar com um inglês bem difícil de entender...

Quando descobriram o numero do meu taxi, um senhor pegou minhas malas e saiu correndo levando-as para o seu taxi. Fui atrás e de repente uma onda de calor insuportável quase me derrubou... estava no Kerala!!! Altas temperaturas em pleno inverno e uma umidade absurda. Fiquei um pouco zonza, molhei a cabeça com o restante de agua que tinha e sentei no carro.

Abri todas as janelas, e uma brisa quente e úmida tomava meu corpo... para evitar qualquer tipo de problema, pois estou viajando sozinha, e vim para uma região bem no interior do sul da Índia, sigo corretamente todas diretrizes indianas... roupas largas... cobrindo minhas pernas, batas longas e uma pachimina cobrindo o peito...

A viagem de taxi durou cerca de 40 minutos, por uma paisagem repleta de coqueiros, coqueiros, e mais coqueiros...

O taxista não falava uma só palavra em inglês, então aproveitei o silencio para avaliar minha condição atual... calor, muito calor...

Ao chegar ao Hospital... nenhum quarto vago... como fiz reserva para o dia seguinte, dia 11 e cheguei antes, não havia vagas disponíveis... tive que procurar um hotel.

Escolhi o hotel... um quarto simples, sem agua quente, em tv, sem ar condicionado... simples, simples, mas surpreendentemente limpo!!! Apenas R$ 10 por dia. As refeições, por segurança, tenho feito no Hospital. E hoje dia 12, ainda estou sem quarto...talvez amanha consiga um...

E apesar de tudo isso, estou aproveitando para realmente descansar, dormir, comer, dormir e comer... e ler... a proposito li um livro inteiro ontem e aconselho a todos... “ A Sabedoria do cães” por Gotham Chopra, filho de Deepak Chopra.. um livro leve, cheio de sabedoria, risadas e muito amor...

Na Índia, é preciso ter paciência, e deixar as coisas fluírem no seu tempo... relax... E estou muito, mas muito feliz por estar aqui novamente!!!!

Não criar expectativas de que as coisas acontecem como marcadas, programadas... aqui a vida flui diferente...em outro tempo, em outra conexão... e isso esta sendo muito bom!!!!

Aproveito este momento para avaliar tanta coisa... tantas emoções borbulhando dentro do meu ser... deixadas de lado, guardadas e escondidas nas gavetas da minha mente, no meu coração... mas, aqui, agora, sem interferências, no silencio de cada manha, no brilho das estrelas de uma noite escura e profunda...

É preciso encara-las. Entende-las, senti-las ...é preciso deixar transbordar de qualquer maneira...

Porque a saudade, as lembranças, são inevitáveis... a cada momentos, a cada instante... mas as reações , pensamentos e comportamentos , estes sim precisam ser resolvidos, apaziguados, acalmados...

e por isso entrego a Mãe Índia, o meu ser , minha alma, aceito minha condição, e confio nas resoluções, situações, emoções, transformações...

Paz e muita saúde a todos...

4 comentários:

Rosario Xavier disse...

Laura, obrigada pelas palavras. Elas foram essenciais hoje para acalmar minha mente.

Namastê.

Alice disse...

Daqui...extremamente emocionada querida.

Namastê

Em TEste disse...

Nossa querida Laurinha, que bom que de qualquer maneira chegaste bem ao teu primeiro destino, vejo que de alguma forma sempre estas repleta de teu proprio ser, feliz ficamos aqui sabendo que estas bem, é o que importa e que cada dia, cada experiência sirva para teu engrandecimento.
Beijão

Aline Crochemore Hillal disse...

Oi Laura! Sou colega de trabalho da tua mãe...tuas palavras, tão cheias da força da tua experiência, transbordaram aqui, tão longe, fazendo efeitos de reflexão pessoal... obrigada!! Saúde, paz e que tenhas excelente tempo por aí! Bjos! Aline