quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Mais um dia de tratamento no Hospital na Índia


Já estou ha mais uma semana no hospital.  Minha rotina esta bem tranquila.
Acordo cerca de 6h da manha, não porque eu preciso, mas porque meu quarto é exatamente encima da cantina, e neste horário eles ligam o exaustor e começam a barulheira das panelas.
É impossível ficar deitada e dormindo... aproveito então para dar uma caminhada no jardim e curtir o frio da manha, por neste horário a temperatura esta por volta dos 15º C.  Faz bem frio na madrugada, mas durante dia o calor vem com força e qualquer caminhada na rua por mais de 10 minutos, faz o corpo de qualquer um transpirar muito... a umidade aqui é de cerca de 80% e os Pittas aqui sofrem bastante. Ficam pingando o dia todo.  Eu como uma Vata Pitta, se não me expuser a rua, fico tranquila no meu quarto curtindo o meu ventilador...
E cerca de 4 x na semana temos aula de Yoga neste horário e substituo a caminhada pela pratica de yoga restaurativa...

Depois, vou para cantina tomar meu café da manha, que geralmente é composto por um chai e Idli.  Costumo pedir sem Sambar e sem chutney, pois comer molho de tomate com abobora e pimenta já no café da manha, não cai muito bem para mim.  Os funcionários da cantina ficam intrigados como consigo comer os bolinhos de lentilha e arroz fermentados puros... eu que não consigo me encher de pimentas as 8h da manha.
Depois volto para meu quarto e fico a espera da visita da equipe medica. Deitada, lendo, relendo, ... me viro para um lado, para outro... cochilo novamente... quanto mais eu durmo, mas sono eu tenho... é bom não ter nada para fazer...ou melhor.. eu tento não fazer nada...
Por volta das 10h, já com dor no corpo de estar deitada costumo ir para o quarto de alguns amigos pacientes, ficar olhando os procedimentos serem feitos e claro fazendo mil perguntas para as enfermeiras... é ... e lá estou eu processando mais informação...  quando não vou ver os meus amigos, me divirto na biblioteca... ahh. Adoro cheiro de livros, e ainda mas uma biblioteca com textos védicos é uma benção...
As 12h em ponto vou para cantina e posso saborear meu delicioso Patient Meal!!...  é  “ o bandejão do paciente” .   a comida é farta e saborosa. Posso repetir o quanto quiser.
Geralmente é composto por um curd com açafrão da terra, um pickles bem acido de lima, arroz basmati, 2 chapatis, uma porção de feijão moyashi com alguns legumes.. uma porção de legumes com coco ralado e especiarias e outros vegetais refogados com coco e bastante especiarias.
É o momento também de encontrar pacientes, conversar, ver como todos estão e se distrair um pouco.
Depois volto para meu quarto e fico a espera da minha massagem que começas as 14h.  e por 1 hora, as mãos fortes, das 4 enfermeiras banham meu corpo com óleo bem quente.  Meu corpo mergulhado, vai aos poucos sendo sedado, a mente confusa com óleo quente pingando na testa... e cada minuto, o corpo, a mente vao se entregando ao calor, a suavidade do óleo e as manobras intensas e fortes de cada massagista.
Ao terminar a massagem, as enfermeiras ajudam a tirar o excesso de óleo do meu corpo, com pequenos paninhos, e me enrolo em uma toalha e volto para meu quarto.
Permaneço ainda deitada e coberta de óleo por mais uma hora, e muitas vezes adormeço.
Um banho morno , de caneca é claro, pois chuveiro aqui é algo raro, ajuda a remover o restante do óleo do corpo.   E depois a fome já começa a despertar novamente... coloco roupas limpas e desço em direção a cantina para um chai com bolo.
Reencontro algumas amigos e saímos para caminhar pelo jardim ou pela cidade.. mas a caminhada nunca ultrapassa mais de 30 minutos.  Isto já é suficiente para nos deixar cansados.  O óleo da massagem, os remédios, deixam o corpo mais lento, a mente mais calma e os movimentos mais suaves... as articulações ficam mais sensíveis e portanto esforço físico deve ser evitado.
Vou ao templo, fazer minhas preces diárias, contemplar o local... manter o silencio, a reflexão a presença... renovar as forças, a busca , a fé...
Quando chega as 19h, já estou na cantina novamente e agora para meu jantar... neste horário todas as mesas estão ocupadas, e os pacientes muito falantes e agitados.  A maioria teve um dia intenso de tratamento e esta é hora de encontrar outras pessoas e se distrair.  O hospital tem cerca de 300 pacientes internados hoje, então a cantina esta super lotada, e enquanto uns comem, a fila de espera é enorme.
Este ano o “clima”  no hospital esta bastante pesado, estrangeiros mesmo somos só 3 pessoas.. eu e mais duas senhoras que são alemãs. O restante é indiano, ou filhos de indianos que moram no exterior.  Poucas pessoas vieram apenas para “rejuvenescimento” .  muita gente de cadeiras de rodas, e com problemas muito sérios. Afinal este é um hospital ayurvédico e a maioria dos pacientes desta unidade tem problemas neurológicos, doenças auto-imunes, sofreram algum acidente de deixou sequelas motoras, outros com paralisias, Parkinson,  artrite, artrose, etc..  todos aqui buscando uma nova vida, uma melhora, uma transformação.
As vezes, a conversa esta tao boa, que saímos da cantina e continuamos reunidos no saguão do nosso prédio, ou vamos para o templo, ou para o quarto de algum de nós.  As conversar nunca ultrapassam as 21h, pois as 22h, todas luzes dos corredores estão apagadas e é necessário silencio total, pois todos deve já estar deitados.  Ou então, volto para o quarto, para cama, ler , escrever, contemplar, descansar e reavaliar cada momento, cada vivencia, cada experiência...

estes sao meus dias bem tranquilos e restauradores, e que seguirão por pelo menos mais 3 semanas...
Paz e saúde a todos...

Um comentário:

katia gontijo disse...

Uau!!! Gostei da proposta do hospital q atende pacientes bem comprometidos. Delicia de rotina. Vou tentar marcar uma consulta o mais rapido possivel c vc e acho q ateh janeiro devo ter um diagnostico do meu caso, mas certamente a ayurveda serah meu caminho p a cura. Acabei de chegar de um panchakarma c Dr. Ruguê. Namaste!!! Até já!!