sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Relatos passados... (minha chegada na Índia)




São poucas horas por aqui e a Índia sempre trazendo aprendizados, sentimentos, experiencias... Digo talvez que possamos perceber de verdade a presença de Deus em cada momento em cada situação que acontece.
Não que isso não aconteça no dia a dia, mas vejo o quanto ainda vivo inebriada e e controlada pela grande Maya.
Talvez se me permitisse uma férias no meu país, eu talvez pudesse perceber isso tudo, mas aqui o ar, a religião, as pessoas, a vida em si, nos permite enxergar e vivenciar melhor isso tudo.
Situações corriqueiras e simples, para uma viajante já acostumada com Índia, mas eu cada vez me surpreendo mais e revejo cada detalhe.
Agora aqui , no no hotel de Mumbai, um filme passa na minha cabeça.
Da minha primeira vez que estive aqui e agora. Quanta coisa mudou... na Índia e na minha própria vida.
São muitas transformações. São muito sentimentos. Alguns bem confusos, outros muito claros.
A chegada no aeroporto depois de muitas horas de voo me deixou exausta e bastante impaciente.
Foi tudo muito rápido.
A chegada no aeroporto, depois de horas congelantes em Londres, uma bafo um calor quase que insuportável penetrava e entranhava meus poros.

As milhares de roupas tiveram que ser removidas rapidamente quase num surto desesperador. Com cuidado, diminui a quantidade de roupas , mas não menos a proteção do corpo, como o peito e o tornozelo.

O bom humor da funcionaria da alfândega, causou estranheza, geralmente eram mais rigorosos e já tive sérios problemas... era sinal, talvez que a viagem começaria bem... pois em viagens passadas, a simples entrada no pais, com muita dificuldade, mostrava o quão problemática ou transformadora seria aquela permanência, e hoje entendo cada detalhe e sinal..

Depois de pegar as malas, trocar dinheiro... parece que ficamos ricos na Índia... eheh . 1 único dólar são cerca de 50 rupias hoje e isso significa em meios práticos, uma refeição completa no hospital!!!! As taxas no aeroporto são sempre melhores,e , procuro sempre trocar o dinheiro por aqui.
Me dirigi ao guichê do taxi pré-pago, que é considerado seguro, e pela primeira vez em 6 anos... nenhuma fila, nenhuma confusão, nada absolutamente... claro que atendente... tirou a nota, com um valor de 420 rupias e me cobrou 450... perguntei porque a diferença e ela se fez de desentendida... não tinha dinheiro trocado, dei uma nota de 500 rupias e ela me devolveu apenas 50... questionei mais uma vez, e ela apenas falou !! vá, vá.. procure o taxi lá fora”

Era o início da Índia... please give me rupias, give me rupias...
Sai pela porta e uma multidão de indianos, esperando outras pessoas, outras apenas ali…sem fazer nada…apenas olhando que chega. Me dirigi ao estacionamento dos taxi pre-pagos com minhas duas malas... uma gigante, quase do meu tamanho...nem tão gigante sim!! :) mas por estarem vazias, fáceis de carregar... mas com uma passe de magica, milhares de indianos, me cercaram , e cada um foi puxando as minhas malas, falei que não precisa de ajuda... mas de nada adiantou. As malas se foram na minha sempre e o papel com o numero do taxi que estava nas minhas mãos, já tinha passado de mão em mão, e um dos tantos indianos, acenava para que o visse e seguisse... quando acharam o carro que eu ia, colocaram rapidamente as malas em cima do carro e chamaram o motorista.

Antes mesmo de chegar perto do carro, os indianos carregadores já pediam dinheiro. Please give pounds, give pounds!!!
Por um momento fiquei confusa... mas era isso mesmo... ia vinha de um voo de Londres e eles sabiam e queriam pounds e não rupias!!! Comecei a rir, e perguntei você quer pounds? É isso mesmo?
Sim, senhora.. rupias não valem nada. Queremos muitos pounds...
Eu falei que era brasileira e no brasil não tinha poudns, ofereci uma moeda de 1 real.. ele disse: isso não vale nada .. queremos pounds.. 3, 4 pounds...

3 pounds? Isso em reais é cerca de 12 reais...
Enquanto isso eu ia sentando no taxi, eles seguravam a porta, para não deixar o taxista partir e eu ir embora sem dar as moedas.
Peguei algumas moedas de rupias, e algumas notas , cerca de 40 rupias, para cada um  e entreguei a eles. Eles não quiserem.. “ pode ficar com essas rupias... não da para nada... vá embora senhora... queremos pounds!!! Nos vamos la buscar outras passageiros... você já conhece bem aqui , né??
Boa viagem!!! Que Lord Krishna te proteja..
:)
Pois eh.... eu não dei os pounds, que eles queriam, mas sorri, conversei , e eles surpreenderam –me.. como sempre.. mesmo tendo negado o pedido deles, eles foram amáveis e ainda me proferiram palavras de proteção...

O motorista então, arrancou o carro e partimos em direção ao sul de Mumbai... muito calor, trânsito, muita poluição... mas belos e sinceros sorrisos, e olhares cruzam-me a cada minuto... me trazem alegria, conforto, felicidade, e muita paz....

Eram os primeiros minutos na minha nova jornada Índia....

Saúde e muita paz..
Laura

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Mais um dia de tratamento no Hospital na Índia


Já estou ha mais uma semana no hospital.  Minha rotina esta bem tranquila.
Acordo cerca de 6h da manha, não porque eu preciso, mas porque meu quarto é exatamente encima da cantina, e neste horário eles ligam o exaustor e começam a barulheira das panelas.
É impossível ficar deitada e dormindo... aproveito então para dar uma caminhada no jardim e curtir o frio da manha, por neste horário a temperatura esta por volta dos 15º C.  Faz bem frio na madrugada, mas durante dia o calor vem com força e qualquer caminhada na rua por mais de 10 minutos, faz o corpo de qualquer um transpirar muito... a umidade aqui é de cerca de 80% e os Pittas aqui sofrem bastante. Ficam pingando o dia todo.  Eu como uma Vata Pitta, se não me expuser a rua, fico tranquila no meu quarto curtindo o meu ventilador...
E cerca de 4 x na semana temos aula de Yoga neste horário e substituo a caminhada pela pratica de yoga restaurativa...

Depois, vou para cantina tomar meu café da manha, que geralmente é composto por um chai e Idli.  Costumo pedir sem Sambar e sem chutney, pois comer molho de tomate com abobora e pimenta já no café da manha, não cai muito bem para mim.  Os funcionários da cantina ficam intrigados como consigo comer os bolinhos de lentilha e arroz fermentados puros... eu que não consigo me encher de pimentas as 8h da manha.
Depois volto para meu quarto e fico a espera da visita da equipe medica. Deitada, lendo, relendo, ... me viro para um lado, para outro... cochilo novamente... quanto mais eu durmo, mas sono eu tenho... é bom não ter nada para fazer...ou melhor.. eu tento não fazer nada...
Por volta das 10h, já com dor no corpo de estar deitada costumo ir para o quarto de alguns amigos pacientes, ficar olhando os procedimentos serem feitos e claro fazendo mil perguntas para as enfermeiras... é ... e lá estou eu processando mais informação...  quando não vou ver os meus amigos, me divirto na biblioteca... ahh. Adoro cheiro de livros, e ainda mas uma biblioteca com textos védicos é uma benção...
As 12h em ponto vou para cantina e posso saborear meu delicioso Patient Meal!!...  é  “ o bandejão do paciente” .   a comida é farta e saborosa. Posso repetir o quanto quiser.
Geralmente é composto por um curd com açafrão da terra, um pickles bem acido de lima, arroz basmati, 2 chapatis, uma porção de feijão moyashi com alguns legumes.. uma porção de legumes com coco ralado e especiarias e outros vegetais refogados com coco e bastante especiarias.
É o momento também de encontrar pacientes, conversar, ver como todos estão e se distrair um pouco.
Depois volto para meu quarto e fico a espera da minha massagem que começas as 14h.  e por 1 hora, as mãos fortes, das 4 enfermeiras banham meu corpo com óleo bem quente.  Meu corpo mergulhado, vai aos poucos sendo sedado, a mente confusa com óleo quente pingando na testa... e cada minuto, o corpo, a mente vao se entregando ao calor, a suavidade do óleo e as manobras intensas e fortes de cada massagista.
Ao terminar a massagem, as enfermeiras ajudam a tirar o excesso de óleo do meu corpo, com pequenos paninhos, e me enrolo em uma toalha e volto para meu quarto.
Permaneço ainda deitada e coberta de óleo por mais uma hora, e muitas vezes adormeço.
Um banho morno , de caneca é claro, pois chuveiro aqui é algo raro, ajuda a remover o restante do óleo do corpo.   E depois a fome já começa a despertar novamente... coloco roupas limpas e desço em direção a cantina para um chai com bolo.
Reencontro algumas amigos e saímos para caminhar pelo jardim ou pela cidade.. mas a caminhada nunca ultrapassa mais de 30 minutos.  Isto já é suficiente para nos deixar cansados.  O óleo da massagem, os remédios, deixam o corpo mais lento, a mente mais calma e os movimentos mais suaves... as articulações ficam mais sensíveis e portanto esforço físico deve ser evitado.
Vou ao templo, fazer minhas preces diárias, contemplar o local... manter o silencio, a reflexão a presença... renovar as forças, a busca , a fé...
Quando chega as 19h, já estou na cantina novamente e agora para meu jantar... neste horário todas as mesas estão ocupadas, e os pacientes muito falantes e agitados.  A maioria teve um dia intenso de tratamento e esta é hora de encontrar outras pessoas e se distrair.  O hospital tem cerca de 300 pacientes internados hoje, então a cantina esta super lotada, e enquanto uns comem, a fila de espera é enorme.
Este ano o “clima”  no hospital esta bastante pesado, estrangeiros mesmo somos só 3 pessoas.. eu e mais duas senhoras que são alemãs. O restante é indiano, ou filhos de indianos que moram no exterior.  Poucas pessoas vieram apenas para “rejuvenescimento” .  muita gente de cadeiras de rodas, e com problemas muito sérios. Afinal este é um hospital ayurvédico e a maioria dos pacientes desta unidade tem problemas neurológicos, doenças auto-imunes, sofreram algum acidente de deixou sequelas motoras, outros com paralisias, Parkinson,  artrite, artrose, etc..  todos aqui buscando uma nova vida, uma melhora, uma transformação.
As vezes, a conversa esta tao boa, que saímos da cantina e continuamos reunidos no saguão do nosso prédio, ou vamos para o templo, ou para o quarto de algum de nós.  As conversar nunca ultrapassam as 21h, pois as 22h, todas luzes dos corredores estão apagadas e é necessário silencio total, pois todos deve já estar deitados.  Ou então, volto para o quarto, para cama, ler , escrever, contemplar, descansar e reavaliar cada momento, cada vivencia, cada experiência...

estes sao meus dias bem tranquilos e restauradores, e que seguirão por pelo menos mais 3 semanas...
Paz e saúde a todos...

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Hospital India 2012


Queridos amigos...
É muito bom receber suas mensagens de carinho...
Já estou instalada no hospital e comecei meu tratamento há 2 dias atrás.
Devo ficar cerca de 28 dias por aqui.  Ainda não defini exatamente minha programação... na verdade , neste momento preciso de verdade desligar um pouco.  O segundo semestre deste ano foi bem puxado e o ano que vem promete haver uma explosão de acontecimentos e preciso estra muito forte e mentalmente preparada para tudo.
Ficarei na India até o inicio de fevereiro, mas estes primeiros dias, onde ficarei no hospital, vou aproveitar para relaxar e descansar minha mente, minha vida...
Quando estiver passeando e estudando, no mês seguinte, vou compartilhar cada detalhe com vocês.
As vezes entrarei aqui para dar “oi” e nos comunicarmos.

Mas esta tudo bem por aqui.
O voo foi puxado, como sempre e desta vez vim por Londres, onde estava um frio terrível.
Aqui esta bem agradável comparado com as altas temperaturas cariocas,  cerca de 28º C, mas com sensação térmica de mais 35º C , já que tenho que andar sempre de calças compridas e batas longas... mantendo sempre o corpo coberto e protegido.
Diferente do ano passado, nada de passar fome!!!!  Minhas refeições estão muito fartas e sem restrições.. apenas uma dieta anti-ama por 28 dias o que não difere da minha alimentação normal.
As aulas de yoga estão bem melhores... mudaram o professor e este agora foca muito em pranayamas e posturas restaurativas, perfeito para um panchakarma...
A equipe de massagistas que ficou comigo este ano é maravilhosa... 4 enfermeiras fazendo massagem ao mesmo tempo, enquanto outras duas cuidam do shirodhara que é aplicado ao mesmo tempo da massagem.
Já ganhei vários roxos nas pernas e braços, e olha que so foram 3 dias de massagem!!!!!  Mas é extremamente relaxante... óleo medicado bem quente, cerca de 4 litros por massagem... é um banho de óleo quente medicado...
A equipe médica é toda nova, mas excelente...  meu médico favorito, esta em outro bloco, mas hoje estive lá conversando com ele, para saber do que ele achou das minhas novas prescrições e conversar um pouco.. eu trouxe 2 quilos de café do Brasil para ele, e ficou muito contente...  Indianos adoram café!!!
Meus amigos de tratamentos passados, estão chegando pouco a pouco. Muitos não virão este ano, pois não conseguiram fazer reserva a tempo e esta tudo lotado ... ou melhor esta sempre lotado...  mas novos amizades já vão se formando...  as conversas e encontros na cantina ou no templo ajudam o tempo a passar e conhecer novas historias fantásticas de vida de muita superação, persistência, dor e transformação.
Alguns aqui pela primeira vez...ainda descrentes e desconfiados... outros a cada ano, melhorando sua condição...É bonito ver...as pessoas se permitirem parar, se cuidar... e muitas delas retornarem as suas raízes...
Os dias por aqui estão apenas começando e Mae Índia já me presenteou com grandes ensinamentos e vivencias que compartilhei mais a frente com vocês...
Espero que estejam todos bem...
Muita saúde e paz...
Um grande bj
Laura

Chegando no Kerala.. sul da Índia, para meu Panchakarma!!!!

Assim que o Jet lag me permitir..compartilharei um pouco da viagem com vocês..

Obrigada pelas mensagens de carinho.

Saúde e paz
Namastê

sábado, 1 de dezembro de 2012

Medicina Indiana no Globo Repórter

Namastê...
Muito feliz com o resultado do programa Globo Reporter sobre Índia.
Quando começaram as pesquisas, fiquei bastante apreensiva com o resultado, pois não poderia ver as ediçoes finais...
Obrigada Erick Schultz pela "ponte"com o Hospital 
 e suas orientações.
É muito bom ver o Ayurveda sendo espalhado...

“Nós tratamos o paciente e não a doença. Este é o princípio do Ayurveda. Duas pessoas que vem aqui com a mesma queixa, com o mesmo diagnóstico, podem receber duas prescrições diferentes, dois tratamentos diferentes e até mesmo duas dietas diferentes”, afirmou Unniappan Indulal, médico.

Logo, logo mais um edição sobre Alimentação Ayurveda!!!



Saúde e paz a todos..

Laura Pires 





http://g1.globo.com/globo-reporter/videos/t/edicoes/v/ayurveda-busca-a-cura-para-os-males-do-corpo-e-da-mente-na-natureza-na-india/2270888/